Você conhece o coletor menstrual?

Por Sarah Sanches, jornalista


Todas nós procuramos formas de ficarmos confortáveis, seguras e à vontade com nossos próprios corpos durante os dias da menstruação. E o absorvente descartável costuma ser um dos itens básicos para esses dias, segurando o sangue e evitando manchas, mas, embora seja o produto mais usado, não é o único, nem a melhor opção. Absorventes ecológicos, de pano, calcinhas absorventes e coletores menstruais são outras possibilidades de proteção e higiene que, se comparadas aos descartáveis, são mais econômicas e também mais saudáveis, já que não possuem produtos químicos.


Chamado carinhosamente de copinho, o coletor menstrual tem se tornado o queridinho entre as mulheres nas redes sociais, onde sua publicidade é realizada. Como o próprio nome sugere, eles funcionam como copos que armazenam o sangue menstrual e estão disponíveis em diferentes tamanhos e formatos. Funcionam como absorventes internos, os conhecidos OB’s, mas, ao contrário destes, são seguros para a saúde íntima, já que são produzidos em material atóxico e hipoalergênico.

Como usar o coletor

O coletor é colocado na entrada do canal vaginal, criando um vácuo que não permite o vazamento do sangue, sem precisar empurrar até o fundo. Por serem de textura maleável, são facilmente dobráveis e podem ser encaixados da forma que for mais confortável para cada mulher. Pode levar um tempinho para descobrir a dobra que melhor se adequa ao Foto: Reprodução/Internet

seu corpo, mas não desista, faz parte do processo.


Supersustentáveis, já que têm vida útil média de seis anos, os copinhos são confortáveis, não têm cheiro desagradável, apresentam menos risco de infecções e vazamentos e são muito mais seguros para o dia-a-dia e na prática de esportes: muitas vantagens para pelo menos não tentar, não é mesmo?!

Veja o que algumas mulheres que adotaram o copinho têm a dizer:


“Hoje, depois de me adaptar bem ao coletor, não vejo desvantagens em usa-lo, apenas vantagens: posso ficar até 12h com ele sem medo de que vá vazar e posso passar o dia na rua sem ter que ficar trocando o absorvente. Além disso, diferente do absorvente, ele não me deixa assada e nem com mau cheiro”. Stephanie Sobral, 21 anos, usa o copinho há 1 ano e 3 meses.


“A 1ª vez que usei o coletor menstrual foi desconfortável. Quando tentei de novo, foi ao ler mais sobre ele e aprender formas de usa-lo. Achei um jeito legal de colocar e, desde então, não larguei mais. Ele proporciona às mulheres mais autonomia e conforto para viver o ciclo menstrual”. Elaine Borges, 22 anos, usa o coletor há 2 anos.


“Liberdade é a palavra que define minha experiência. Tenho uma relação muito mais íntima com meu corpo, posso verificar a quantidade de sangue que elimino durante o ciclo, o aspecto físico, conhecer minha vagina, as melhores posições dentro do canal, saber como funciono, como me sinto bem. Sobre desvantagens? Não vejo”. Deyse Santos, 27 anos, usa o coletor há 3 anos.


“Eu não tive desconforto, mas demorei em pegar o jeito. O motivo que me fez escolher o copinho foi pensar na minha saúde íntima porque absorventes industrializados abafam e têm muitos produtos químicos. Uso o mesmo copinho desde 2015, sem nenhum problema”. Renata Argôlo, 23 anos, usa o copinho há 4 anos.

Os coletores podem ser encontrados em algumas farmácias, mas, principalmente, em lojas online. Embora o investimento inicial seja relativamente alto – um kit com dois coletores custa em média 90 reais -, a médio e longo prazo, pesam muito menos no bolso, já que podem ser usados por muito tempo. Experimente!

7 visualizações
maisaude
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram

© Mais Arte Publicidade 2020